Encontrar empresa por:

Ícone TítuloColunas

Compartilhe:

Mudar sim, mas sem perder o rumo

28/05/2019


O titulo me lembra da frase: “Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade”.
 
Assim, eu encaro a frase de Edson Marques:  do que adianta ser campeão de Formula 1 e ganhar um enterro maravilhoso, para morrer por imprudência numa pista de esqui. Importante é a vida, importante é virar em todas as curvas, como as 495 curvas da estrada velha de Campos do Jordão, e sair delas vivo!
 
 
Que adianta velocidade e passar reto na curva. Na vida profissional também é assim. Quantas vontades de acelerar ficam frustradas, diante da necessidade de diminuir a marcha para que todos caminhem juntos. Assim é o nosso negócio. Os que quiseram ser velozes, além do razoável, muitas vezes perderam a direção. Casar-se logo, ter filho logo, encontrar emprego logo, com salário mais alto. Mudar de emprego logo, ter um carro melhor que o do vizinho logo, ser sócio do melhor clube logo, comprar todas as roupas de grife, logo.
 
Logo, logo, logo. Logo! Logo, você vai estar comendo capim pela raiz. Sim, porque a competição que a mídia e a vida profissional exigem de nós, faz com que queiramos fazer tudo de uma só vez, e uma hora o cano estoura! Sim, o cano, pois é isso que a pressão por excesso de água faz com os canos. Parece que somente com experiência de vida que nós aprendemos isso.
 
Creio que parte da resposta seja: porque ultrapassamos um (ou alguns) de nossos limites, é justamente neste momento que nos expomos e entramos em um território desconhecido. Ou, em que não estamos no controle e é justamente nesta hora, que corremos o risco de errar ou de perder todo o controle de nossos negócios e de nossas vidas.
 
Por outro lado, se não houvesse tempo:
 
• O tempo não teria significado e muito menos a preocupação de perder tempo!!!
 
Com isso poderia desperdiçá-lo, que nenhuma consequência danosa aconteceria. Me ocorre que essa condição, poderia levar a um tédio sem precedentes!!!
 
•                 A morte nunca ocorreria, então posso fazer de tudo que quiser, com calma, pois não corro o risco de morrer!!!! Correr, voar, saltar, não existiriam limites!!!!
 
Assim, como a escassez de recursos em nossa empresa tende a nos desafiar para sermos melhores e nos superarmos, creio que a vida sem riscos e o tempo sem limites tenderiam a nos tornar pessoas piores...
Então, o melhor mesmo, é sermos balanceados em tudo o que fizermos. Nem tanto ao céu, nem tanto à terra.
Conheço gente que briga com todo mundo, faz a gestão por conflito e causa o caos na empresa.
 
Conheço gente que não briga com ninguém e fala amém para tudo! Causam a morte da empresa.
 
Portanto, o conceito de existir e viver em função do tempo abrange uma enorme gama de coisas, se não vejamos:
 
Existe o VENTO porque sinto-o tocar minha pele, mas o vento não vive. Existe a LUZ que nos ilumina e dá calor, mas a LUZ não vive. Existe a CHUVA, mas a chuva não vive. Existe o SOM, mas o som não vive, quem passa por este Mundo apenas existindo PARA COMPETIR,  pode ser comparado à LUZ, SOM, CHUVA ou VENTO, aqueles que vivem participam, interagem, constroem, modificam, alteram caminhos, recuperam, sentem e se fazem sentir, têm medo mas se inspiram e agem, tem coragem mas são, cuidadosos sem deixar de realizar.
 
Vida é relação, contato, comunicação, troca, "feeling", capacidade de ser, estar e interagir com o meio, alterando-o ou não, tudo a seu TEMPO.
 
Que bom seria se pudéssemos ficar um dia por semana, sem celular, sem usar uma roupa de grife, sem competir com o mundo, num canto qualquer, pensando e repensando nossas ações, nosso dia a dia, nossa vida e nosso tempo, sem perder o rumo.
 
Existem o vento, a chuva, a luz, as sombras, o som e a lua, porém lá não há VIDA. A VIDA está dentro de nós.
 
Vamos correr menos e andar mais. Vamos dormir menos e sonhar mais. Vamos morrer menos e VIVER mais...
 
O canal Brasil retrata bem a correria do dia a dia: http://www.youtube.com/watch?v=FrWreElyb5Q.  

 
 Aviso: A opinião apresentada neste artigo é de responsabilidade de seu autor e não da ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software